Arquivo da tag: mitologia

história

As verdades já são imaginações

8 janeiro, 2018 | Por Isabela Gaglianone

“Longe de se opor à verdade, a ficção não é mais do que um seu subproduto: basta-nos abrir a Ilíada para entrarmos na ficção, como se diz, e perdermos o norte; a única diferença é que a seguir não acreditamos nela. Há sociedades em que uma vez o livro fechado, se continua a acreditar e outras em que se deixa de acreditar”.

Sandro Botticelli, "Palas e o Centauro", c. 1482.

Sandro Botticelli, “Palas e o Centauro”, c. 1482.

O que é o mito? É história alterada? É história aumentada? Uma mitomania coletiva? Uma alegoria? O que era o mito para os gregos? O sentimento da verdade é muito amplo (abrange facilmente o mito), “verdade” quer dizer muitas coisas e pode até abranger a literatura de ficção. Estas são algumas das questões que norteiam o belo e erudito livro do historiador e arqueólogo francês Paul Veyne, Os gregos acreditavam em seus mitos? – Ensaio sobre a imaginação constituinte.

“A partir do exemplo da crença dos gregos em seus mitos”, diz o historiador, “eu me propus então estudar a pluralidade das modalidades de crença: crer na palavra dada, crer por experiência, etc. Por duas vezes, este estudo me projetou um pouco mais longe. Foi necessário reconhecer que em vez de falarmos de crenças, devíamos simplesmente falar de verdades”. Como colocou o escritor Gilles Lapouge, em resenha escrita para o jornal Le Monde, nesse sentido, a verdade “não é mais real que os mitos. Ela é a filha do tempo. Os homens a inventaram como inventam a História. E a verdade de agora é tão alucinada quanto todas as verdades que a precederam”.

Continue lendo

Send to Kindle

matraca

Da sobrevivência dos deuses

6 junho, 2014 | Por Isabela Gaglianone

deuses copy

Nos anos em que viveu em Paris, Heinrich Heine escreveu uma série de trabalhos sobre a mitologia pagã, através dos quais rastreou os vestígios da sobrevivência dos deuses antigos na história do ocidente. Um desses trabalhos é a sequência de narrativas Os Deuses no Exílio, que elucubra sobre o destino das divindades antigas depois do surgimento do cristianismo.

Heine apropriou-se de diversos materiais históricos, narrativas e mitos, lendas recolhidas pelos irmãos Grimm ou sagas populares suecas – destas, três encontram-se traduzidas neste volume e uma dão ideia do modo como a mitografia heiniana reelabora as fábulas antigas: utiliza criativamente suas fontes, reinventando-as.

Continue lendo

Send to Kindle

matraca

O homem, a História, as imagens

15 maio, 2014 | Por Isabela Gaglianone

Ninfas – que compõe a série de ensaios publicada em 1998 sob o título Image et mémoire – do italiano Giorgio Agamben, tece uma reflexão sobre o moderno esquecimento da experiência, baseada numa análise sobre o trabalho do crítico e historiador da arte alemão Aby Warburg e de seu atlas das diversas versões de representação de determinadas figuras da arte, o Altas Mnemosyne. Para Warburg, trabalhar com imagens, nesse sentido representativo diversificado, significa trabalhar no limiar, não somente entre o corpóreo e o incorpóreo, mas, sobretudo, entre o individual e o coletivo. Para Agamben, seria o cerne da problemática em torno do papel fundamental do contemporâneo.

Continue lendo

Send to Kindle