Arquivo da tag: Octavio Paz

lançamentos

Um dizer rodeado de silêncio

1 dezembro, 2017 | Por Isabela Gaglianone

“[…] seu destino eram as letras”.

Miguel Cabrera, "Retrato de Sor Juana Inés de la Cruz"

Miguel Cabrera, “Retrato de Sor Juana Inés de la Cruz”

Sor Juana Inés de la Cruz ou As armadilhas da fé, de Octavio Paz, acaba de ser lançado no Brasil, em co-edição entre a Editora Ubu e o Fondo de Cultura Económica, com tradução de Wladir Dupont.

Trata-se de um ensaio volumoso, profundo e de difícil classificação: o texto de Paz amalgama biografia, história, antropologia e crítica literária para abarcar a relevância da figura de Sor Juana Inés de la Cruz (1648-1695), considerada a primeira escritora de língua espanhola na América. Através da figura desta interessante e forte mulher, Paz delineia uma fase da história do México, então sociedade católica da Nova Espanha, na segunda metade do século XVII.

O vice-reinado católico da Nova Espanha, constituído no século XVI, avançava do sul dos Estados Unidos até a Mesoamérica, excluindo-se apenas a capitania geral da Guatemala, e, ao lado do vice-reinado estabelecido no Peru, atuou como uma das fontes primordiais de transferência de riquezas para a metrópole espanhola durante quase trezentos anos. É no seio deste contexto que Paz vê a grandeza de Sor Juana, uma das mais extraordinárias personagens da cultura da América, vanguardista e corajosa: uma freira poeta em um mundo encoberto pelo barroco espanhol e pelo sacrifício dos povos indígenas, por dogmas sobrepostos a tradições; sincrético e injusto.

Continue lendo

Send to Kindle

Guia de Leitura

Filósofos e literatos que pontuam Mallarmé como o principal marco de ruptura com a poesia pregressa

26 junho, 2015 | Por Isabela Gaglianone

Mallarmé como fundamental instaurador de questões contemporâneas que ultrapassam a forma poética.

 

Stéphane Mallarmé (1842-1898) inaugurou questões e possibilidades para a poesia, tão profundas, que ainda não plenamente decifradas pela crítica literária contemporânea. Precursor da poesia concreta, influência decisiva para os poetas futuristas e dadaístas, Mallarmé é, sobretudo, conhecido como um escritor cuja prosa e poesia primam pela musicalidade e experimentação gramatical.

 

Sartre, “Mallarmé”

Sartre, no livro Mallarmé – sem tradução para o português –, analisa que o poeta, em sua obra, nega o homem, pois que transforma “o eterno em temporalidade e o infinito em acaso”.

Antes de Camus, Mallarmé teria percebido, segundo o filósofo, que o suicídio é uma questão humana premente, trabalhada, em sua poesia, através do poema crítico, em que a elocução do poeta desaparece em favor da autonomia das palavras.

Mallarmé cria uma articulação sintática inovadora a partir de uma desconexão, um distanciamento, que faz com que as palavras orbitem em torno umas das outras não por uma necessidade semântica, mas por relações analógicas.

De acordo com Sartre, Mallarmé cria uma linguagem em que a palavra se torna coisa. Segundo o filósofo, “le poème est la seule bombe” [“o poema é a única bomba”], frase provinda de uma metáfora-ideia política de Mallarmé. Poemas podem ser bombas, pois exploram e esgotam as relações dos significantes que abarcam.

Continue lendo

Send to Kindle

Guia de Leitura

Livros que articulam mito e linguagem

3 fevereiro, 2015 | Por Isabela Gaglianone

A relação entre a abstração lógica que envolve tanto os mitos como as palavras tem sido, por diferentes áreas de conhecimento, abordada e explorada. Os pontos de contato dali decorrentes oferecem ricas ramificações para se pensar as lógicas, as significações conceituais e a amplitude simbólica, quer das imagens míticas, quer das formas linguísticas.

Raiz comum, ou decorrência de uma implicação recíproca e necessária, a poesia surge nesta imbricação.

 

vico

Giambattista Vico, “Ciência Nova”

O filósofo italiano Giambattista Vico, em sua Ciência Nova, sustenta que os primeiros povos da gentilidade, por uma comprovada necessidade natural, foram poetas e falaram por meio de figuras poéticas. Suas histórias tiveram princípios fabulosos. Os fundadores da humanidade, segundo ele, imaginativamente criaram os deuses, com sua lógica, criaram as línguas, com sua moral, criaram os heróis. De um só golpe, história das ideias, costumes e fatos do gênero humano.

A fábula teria nascido nos tempos mudos como linguagem mental, sendo, esta, considerada como poesia, ou verso, entendido em sua primazia histórica sobre a prosa. As fábulas, para Vico, são gêneros fantásticos em que as mitologias são suas alegorias; cada metáfora, assim, vem a ser uma pequena fábula. Na mesma lógica, os primeiros poetas devem ter dado às coisas os nomes, a partir de ideias mais particulares e sensíveis. A lógica poética, assim, é demonstrada como a origem das línguas e das letras.

 

Schelling, “Filosofia da arte”

As lições de Schelling em Filosofia da arte são uma sistematização das artes e dos gêneros poéticos, bem como da reflexão estética de modo geral até o início do século XIX. Traduzido no Brasil pelo professor Márcio Suzuki, este livro é exemplar da originalidade do pensamento de Schelling, pois, nele, o filósofo defende que o impulso da criação artística parte da mitologia; propõe, assim, um deslocamento significativo na concepção do mito em relação ao logos, considerando-os duas formas complementares de compreensão do mundo.

Para Schelling, natureza e história são em si mitológicas; a poesia é, por conseguinte, a conformação da atividade livre ideal da própria razão. A matéria da arte, a mitologia, é produzida pela arte, encontra na poesia um testemunho espiritual. O círculo é uma forma importante para a consciência mitológica. A união dos signos poéticos e mitológicos, do alegórico e do histórico, em Schelling também pode ser analisada no texto “A Divina Comédia e a filosofia”, traduzido por Rubens Rodrigues Torres Filho na coleção “Os pensadores” a partir da edição de 1981. Ali, ele mostra que a poesia, linguagem figurada, à maneira da mitologia, dá ao homem uma ideia moral e estética da humanidade.

 

cassirer

Ernst Cassirer, “Linguagem e mito”

Linguagem e mito, de Ernst Cassirer, foi publicado originalmente em 1924. Sua primeira e talvez definitiva tradução no Brasil foi feita por Anatol Rosenfeld e publicada em 1972. Pela reflexão sobre as formas simbólicas, ele visa apreender os modos de objetivação que caracterizam a arte, a religião e a ciência e, sobretudo, a linguagem e o mito; base de uma antropologia filosófica e de uma filosofia da cultura, cuja unidade é encontrada no reconhecimento de uma atividade simbolizante humana.

Cassirer pensa a linguagem e o mito como correspondentes de uma mesma maneira de pensar, grosso modo, metafórica. A partir de trabalhos filosóficos e filológicos, sua investigação questiona a identidade latente entre o nome e a coisa; ele analisa a delimitação da essência em conceitos, tomando as formas intelectuais não como representações ou símbolos, mas como geradoras de seu próprio mundo significativo. Entre a formação de conceitos linguísticos e míticos, encontra coincidências essenciais, pois atua, em ambos, o mesmo impulso de enformação simbólica: uma tendência do pensamento à compressão, à concentração em um só ponto, que determina o real acento da significação. Partilhando o mesmo impulso, ele encontra o mundo da poesia, que move-se livremente entre a palavra e a imagem mítica, apreendendo-as como órgãos.

 

Levi Strauss, “O pensamento selvagem”

As conclusões de Lévi-Strauss sobre O pensamento selvagem, especialmente ao serem regidas pela análise, comparativa e metafórica, da linguagem em relação aos modos de pensar ou conhecer as coisas no mundo, mostram que os universos mítico e linguístico entrelaçam-se, como estruturas construídas por uma qualidade arquitetônica da razão. A pesquisa antropológica aqui se desdobra em uma teoria da razão, uma reflexão epistemológica que reverbera-se em questões psicológicas e históricas, as quais revertem preconceitos etnocêntricos, identificando regras do pensamento de validade universal. As analogias entre os sistemas de significação de diferentes tribos e etnias com os das sociedades europeias são surpreendentes. Revelam o caráter geral dos sistemas classificatórios como sistemas de significação. O trabalho do antropólogo, nas mãos de Lévi-Strauss neste livro grandioso, encontra amparo na lógica do bricoleur: Ele demonstra uma bricolage intelectual no pensamento selvagem, que trabalha à maneira de um caleidoscópio, produzindo arranjos estruturais a partir de fragmentos, reunidos e espelhados, e cuja utilidade é semelhante à do signo, ao assumir o lugar da coisa significada a partir de arranjos da inteligibilidade causados por relações contingentes que atualizam possibilidades. Ainda que as classificações – de nomes, mitos, totens – formem sistemas complexos e coerentes, os termos nunca tem significação intrínseca, há diferentes cargas semânticas: “sua significação é ‘de posição’, por um lado, função histórica e do contexto cultural e, por outro, da estrutura do sistema em que são chamados a figurar”.

 

Octavio Paz, “O labirinto da solidão”

Octavio Paz>, em O labirinto da solidão, reflete sobre a história do México, a identidade do país e de seu povo, seu universo mental e realidade local, seus mitos, sua lógica: a mexicanidade. Mas não só. Além de ser uma das mais importantes tentativas de situar o homem latino-americano no contexto histórico mundial, pensando os mitos, o poeta encontra questões fundamentais da formação da lógica linguistica. Paz analisa os mitos à medida que estes expressam-se na força da linguagem e da poesia, por um lado, e na solidão, por outro – sendo a solidão, para ele, um sentimento universal, componente da cultura moderna.

O mito é fala; ambos remetem a um tempo irreversível – como Paz também demonstrou ao longo de sua análise sobre Levi-Strauss, publicada em Claude Lévi-Strauss ou o Novo Festim de Esopo. A linguagem e a mitologia são, ambas, representações da história condensada. Ao pensar a história e retornar às origens do pensamento, Paz encontra o mito e a poesia entrelaçados como linguagem primordial do homem. As conseqüências da ideia de unidade entre o mito e a língua encontra-se também desenvolvida ao longo dos ensaios de O arco e a lira.

 

 

O encontro conceitual da lógica da formação do mito e da linguagem repousa sobre um processo de abstração. Questão a um só tempo epistemológica, estética, antropológica, filológica, histórica. Na formação dos conceitos míticos e linguísticos delineiam-se noções limítrofes do pensamento e de sua capacidade de abstração.

Ambos conceitos implicam-se mutuamente, ao passo que também implicam a reflexão poética e revelam mecanismos lógicos que, como símbolos, postulam uma memória compartilhada.

 

Send to Kindle

Ensaios

Signos em rotação ou: por que artista?  

15 dezembro, 2014 | Por Isabela Gaglianone

Marcel Duchamp

A IMAGEM DO MUNDO E A POESIA

A arte responde ao mundo, fala a própria história. Se o “nosso tempo é o do fim da história como futuro imaginável e previsível”, a própria sociedade, como palavra viva e palavra vivida, hoje deve descobrir a figura do mundo na dispersão de seus fragmentos. Paz anuncia daí sua mirada, o “ponto de inserção da poesia que é também um ponto de interseção, centro fixo e vibrante onde se anulam e renascem sem trégua as contradições. Coração-manancial”[i].

Seu poético questionamento debruça-se sobre as “possibilidades de encarnação da poesia”; sua pergunta, não é “sobre o poema e sim sobre a história: será uma quimera pensar em uma sociedade que reconcilie o poema e o ato, que seja palavra viva e palavra vivida, criação da comunidade e comunidade criadora?”. Paz identifica a questão primordial, que une ao presente o passado: a origem poética da língua ao balbuciamento do signo puro do “contínuo transcender-se, desse permanente imaginar-se” que é o poema enquanto tradução do homem, da sua essência ontológica enquanto constante busca de si, sendo o mundo sem cessar de ser ele mesmo.

“[…] o poeta escuta. No passado foi o homem da visão. Hoje aguça o ouvido e percebe que o próprio silêncio é voz, murmúrio que busca a palavra de sua encarnação. O poeta escuta o que diz o tempo, ainda que ele lhe diga: nada”. 

Continue lendo

Send to Kindle

lançamentos

Un coup de dés

17 outubro, 2014 | Por Isabela Gaglianone

Mallarmé, por Gauguin.

O poema Um lance de dados, de Mallarmé, ganhou nova tradução, realizada por Álvaro Faleiros e publicada pela Ateliê Editorial. O tradutor procurou estabelecer um diálogo com a miríade de trabalhos dedicados ao poema, em especial a consagrada tradução feita anteriormente por Haroldo de Campos [Perspectiva, 1977], que apresentou de maneira especial Mallarmé ao público leitor brasileiro. A cuidadosa edição, bilíngue, conta com um texto de apresentação da proposta de tradução, escrito por Faleiros – seu percurso concentra-se no aspecto tipográfico do poema, o que desconsidera, em parte, áreas das subdivisões prismáticas que permeiam o texto. O volume traz também uma leitura crítica do poema realizada por Marcos Siscar, bem como o prefácio, que acompanha o poema desde sua primeira edição, introduzido por Mallarmé e seguido do pedido do autor para que, logo após sua “inútil leitura”, fosse pelos leitores esquecido. Paradoxalmente, o prefácio é um verdadeiro programa da “nova arte” poética inaugurado pelo poema. Nesse prefácio, Mallarmé avisa: a diferença “de caracteres de impressão entre o motivo preponderante, um secundário e outros adjacentes, dita a importância de sua emissão oral”.

Um lance de dados, longo poema de versos livres e tipografia revolucionária, desempenhou um papel fundamental na evolução da literatura no século XX.

Continue lendo

Send to Kindle

história

Entre a história e a poesia

28 março, 2014 | Por Isabela Gaglianone

O tema deste livro é a tradição moderna da poesia. A expressão não só significa que há uma poesia moderna, como que o moderno é uma tradição. Uma tradição feita de interrupções, em que cada ruptura é um começo. Entende-se por tradição a transmissão, de uma geração a outra, de notícias, lendas, histórias, crenças, costumes, formas literárias e artísticas, idéias, estilos; por conseguinte, qualquer interrupção na transmissão equivale a quebrantar a tradição. Se a ruptura é destruição do vínculo que nos une ao passado, negação da continuidade entre uma geração e outra, pode chamar-se de tradição àquilo que rompe o vínculo e interrompe a continuidade?

 

Octavio Paz, poeta, crítico e ensaísta dos mais relevantes do século XX, tem no Brasil parte de sua obra crítica relançada pela Cosacnaify, em parceria com a editora mexicana Fondo de Cultura Económica. Continue lendo

Send to Kindle

história

O homem é nostalgia

4 dezembro, 2013 | Por Isabela Gaglianone

Octavio Paz definiu assim O labirinto da solidão: “O labirinto da solidão foi um exercício da imaginação crítica: uma visão e simultaneamente uma revisão. Uma coisa muito diferente de um ensaio de filosofia do mexicano ou da procura do nosso pretenso ser. O mexicano não é uma essência e sim uma história. Nem ontologia nem psicologia. O que me intrigava (e intriga ainda) era menos “o caráter nacional” que aquilo que este caráter esconde: o que está por trás da máscara”. Publicado pela primeira vez em 1950, com a intenção de decifrar os mitos mexicanos, ao livro foi acrescentado, após os violentos acontecimentos de 1968 no México, um pós-escrito. Paz reflete sobre a história do México, a identidade do país e de seu povo, seu universo mental e realidade local, seus mitos, sua lógica: a mexicanidade. Mas não só. Trata-se, talvez, da mais importante tentativa de situar o homem latino-americano no contexto histórico mundial.

Continue lendo

Send to Kindle

Literatura

Entre a crítica e a prosa

27 novembro, 2013 | Por Isabela Gaglianone

A escritora e jornalista franco-mexicana Elena Poniatowska foi anunciada neste mês como a vencedora do Prêmio Cervantes, o mais importante das línguas hispânicas. O júri afirmou que o prêmio foi conferido a ela para recompensar “uma trajetória literária em diversos gêneros, de maneira particular na narrativa e por sua dedicação exemplar ao jornalismo, da crônica ao ensaio“. Elena nasceu na França, em Paris, filha de mãe mexicana e pai descendente da família real polonesa; aos dez anos, mudou-se com os pais para o México e naturalizou-se mexicana. Como jornalista no México, deixou testemunhos escritos de momentos chave da história política do país. É autora, por exemplo, de La noche de Tlatelolco, sobre a morte de estudantes manifestantes numa praça em 1968, e de Hasta no verte Jesús mío, história Jesusa Palancares, uma mulher que combateu na Revolução Mexicana, na década de 1910, texto baseado nas longas conversas com Josefina Borgues – nome real de Jesusa – em que contou à escritora o que vivenciou.

Continue lendo

Send to Kindle