Arquivo da tag: Tchekhov

Guia de Leitura

Boris Schnaiderman e suas belas traduções

8 julho, 2016 | Por Isabela Gaglianone

Escritor, professor, tradutor: Boris Schnaiderman, intelectual generoso, foi certamente o maior responsável pelo acesso e divulgação da literatura russa no Brasil, fundador de uma nova era na tradução brasileira – uma tradição de traduções cuidadosas diretas do russo para o português.

Boris juntou à prática acadêmica o exercício de jornalismo literário, o culto aos clássicos e o interesse pelos novos escritores. Como tradutor, realizou um trabalho que esteve associada à docência e à produção incessante de artigos e livros, mas que combinou, a este, outros trabalhos, como os desenvolvidos em equipe (com os poetas Augusto e Haroldo de Campos, posteriormente com Nelson Ascher) e trabalhos independentes.

Suas traduções sempre foram caracterizadas pela autonomia e pelo extremo cuidado no tratamento com o texto. Autores tão diferentes como Górki e Tchekhov merecem, a cada reedição das traduções, um reexame detalhado e importantes melhoramentos.

Em entrevista, Boris certa feita disse não gostar da expressão “texto intraduzível”: trata-se apenas de um dos grandes desafios que uma tradução apresenta.

 

A. P. Tchekhov, “A dama do cachorrinho – E outros contos”

A primeira tradução assinada por Boris Schnaiderman [fizera algumas amadoras antes, sob o nome de um pseudônimo] foi A dama do cachorrinho, em 1959, quando ele tinha 42 anos. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, em 06 de maio de 2001, Schnaiderman conta: “Minhas traduções anteriores eu havia publicado com pseudônimo. Não as reconheço. Eu não tinha experiência. Mesmo com a tradução de ‘A Dama do Cachorrinho’ não fiquei satisfeito e a refiz várias vezes. Aliás, faço isso com todas as minhas traduções”.

Os contos breves, precisos e tocantes de Anton Tchekhov (1860-1904) revolucionaram a maneira de escrever narrativas curtas, tornaram-se mundialmente conhecidos e influenciaram os principais escritores que posteriormente dedicaram-se ao gênero. Grande parte da originalidade de Tchekhov reside no papel fundamental que desempenham, em suas histórias, a sugestão e o silêncio, a ponto de, muitas vezes, o mais importante ser justamente o que não é dito. Continue lendo

Send to Kindle

lançamentos

O homem e a natureza

23 julho, 2015 | Por Isabela Gaglianone
Isaak Ilyich Levitan, 1892

Isaak Ilyich Levitan, 1892

A Companhia das Letras acaba de lançar a tradução feita por Rubens Figueiredo da novela A estepe – História de uma viagem, de Tchekhov.

Trata-se da primeira narrativa mais extensa do russo, então com 28 anos de idade e já reconhecido colaborador de jornais e revistas literárias, com suas prosas curtas.

O texto acompanha a viagem de um menino que parte para estudar em outra cidade e, para tanto, percorre por alguns dias a vasta estepe russa. Múltiplo, traça, através da experiência do protagonista, e aliada à rica descrição da paisagem natural, uma precisa interpretação sobre tipos humanos, sobre atividades econômicas e as relações sociais delas decorrentes. Percorre, assim, um panorama que atravessa mudanças de comportamento, individuais e coletivas.  Continue lendo

Send to Kindle

matraca

Esmagado por seus atos inúteis

16 março, 2015 | Por Isabela Gaglianone
Walter Sickert

Walter Sickert

Ivánov, peça de Tchékhov, foi encenada pela primeira vez em 1887. Trata, em quatro atos, do tédio sufocante que instaurou-se sobre os últimos anos da Rússia czarista. É praticamente a peça de estreia de Tchékhov como dramaturgo e já apresenta elementos que seriam característicos de todo seu teatro vindouro, como a presença latente de jogos psicológicos nos diálogos, as pausas e vazios súbitos, ricas significações nas entrelinhas.

Publicado pela Edusp, o texto foi traduzido para o português por Eduardo Tolentino de Araújo, que já foi diretor de montagem da peça quando encenda em 1998, e Arlete Cavaliere, professora da USP especialista em teatro russo.

Continue lendo

Send to Kindle

matraca

Um pescador de momentos singulares cheios de significação

5 dezembro, 2013 | Por Isabela Gaglianone

Três anos, novela de Tchekhov publicada originalmente em 1895, acaba de ser lançada no Brasil com a tradução cuidadosa feita por Denise Sales – doutora em Literatura e Cultura Russa pela USP e, desde 2012, professora de Língua e Literatura Russa na UFRGS –, que também assina o posfácio e as notas ao volume. A narrativa é ambientada em Moscou, na rua Málaia Dmítrovka, onde o escritor efetivamente viveu, após retornar de sua viagem à colônia penal da ilha de Sacalina. Este não é, contudo, o único elemento autobiográfico. Esta extraordinária narrativa, ao lado de Minha Vida – também publicada pela editora 34 e traduzida por Denise Sales –, é considerada a mais autobiográfica das histórias de Tchekhov. Três anos expressa as inquietações morais e políticas de seu autor. Protagonizada pelos recém-casados Iúlia Belavina, filha de um médico da província, e Aleksei Láptiev, nascido no seio de uma família de prósperos comerciantes moscovitas, a novela mostra o estabelecimento do cotidiano dos primeiros anos matrimoniais do jovem casal e suas relações com os círculos sociais que frequenta, ao passo que demonstra toda a atmosfera opressiva das relações de afeto e poder na Rússia ainda marcada pela recém-abolida servidão.

Em uma de suas cartas Tchekhov escreveu algo que aplica-se a seu trabalho em geral e que pode ser notado em Três anos: “Meu objetivo é matar dois pássaros com um tiro: descrever a vida de modo veraz e mostrar o quanto essa vida se desvia da norma. Norma desconhecida por mim, como é desconhecida por todos nós”. Continue lendo

Send to Kindle

Literatura

Viajar e escrever, viajar para escrever

29 novembro, 2013 | Por Isabela Gaglianone

Um bom par de sapatos e um caderno de anotações é uma seleção de textos e breves considerações de Tchekhov, organizada por Piero Brunello – professor de história social na Università Ca´Foscari, Veneza, também responsável pelos textos de prefácio e apêndice. A tradução foi feita por Homero de Andrade para a editora Martins Fontes. O livro foi publicado originalmente em 1895, resultado de notas realizadas em uma viagem do escritor, entre os meses de abril e outubro de 1890, à ilha-prisão de Sakalina, situada entre o mar de Okhotsk e o mar do Japão. Apesar da organização dos textos sugerir a formação de um “guia teórico-prático de reportagem”, para viajantes, jornalistas ou, simplesmente, leitores, o livro ultrapassa esta modesta pretensão, concentrando textos interessantes sobre assuntos variados: o castigo comum das fustigações – censurado até pouco tempo mesmo em traduções estrangeiras – ou questões teóricas e práticas da narrativa, observações que acabam por esboçar os traços de sua poética.

Durante a viagem, Tchekhov percorreu em condições precárias a região siberiana – a pé, a cavalo, sobre carroças, navegando em balsas e barcos a vapor –, demorou dois meses e meio para chegar à ilha, que “pareceu-lhe um inferno”; percorreu mais de doze mil quilômetros. Ao chegar, “pôde encontrar as pessoas, ver como viviam e escutar suas histórias”.

Continue lendo

Send to Kindle